20 de jul de 2011

MEUS AMIGOS - MEU TESOURO

Até pensei em pegar uma mensagem na internet, que expressasse minha afeição por vocês... mas duvido que exista algo melhor do que minhas próprias palavras para dizer a vocês o quanto são importantes para mim.
Recapitulando toda minha vida, penso na pessoa rica que sou, como sempre digo.Muita gente diz que amigos são a família que a gente escolhe. Eu tenho a sorte de ter na família, amigos que eu escolho: minha maravilinda irmã Ban, o carente reizinho Clau e o Teco Peleco. A Silvinha, Livia e Tia Izabel que nunca me abandonaram e meus pais, que estão em outro plano, mas foram os melhores amigos que eu pude ter, embora eu não sabia disso naquela época).
Na época do colégio, eu não era a mais popular, mas sempre estive rodeada de amigos... Patrick, Tatianinha, as Patricias (Bach, Lili Bolero, Silveira, Bonadio, entre tantas), Renata (Renataylor) Parpolow, Renata Malagueta, Renata Campos, Renata Kelly, Silvinha, Drica, Katy, Totó, Marquinho, Edinho (saudades dos seus poemas), Fernando, Solange, Tchesco, Dany, Dafney, Fe Facchini, Paola (Papasha), Fabricio (Fafá), Juliao (Juju), Loraine, Fezinha, Cyro... até mesmo o Mancha que foi acima de tudo um grande amigo... não me lembro de um só momento de solidão... e boa parte dessas pessoas fazem parte do meu presente...
Na rua, foram fases... momentos da rua de cima marcados pelo pega-pega na calçada e as corridas de rolimã, momentos da rua de baixo, marcados pelo barulho das mobyletes e os jogos de voley... momentos de Thu – uma das pessoas mais importantes que já passaram na minha vida (talvez a mais importante, depois dos de sangue).
No ensino médio, eu era a relações publicas.. não existia playcenter sem mim... não existia Batidão e Chaplin sem mim... mas também não existia banco do confessionário sem mim... nunca vou esquecer o dia que a Karina me viu chorando e com a cara mais assustada do mundo disse: “nossa, você chora!”... Eu era a menina forte, que andava descalça, vendia artesanato, tinha um programa de rádio e que achava que era mais sei lá o quê que a Michelle Pfeifer (não lembro o que o Sebbah escreveu), mas que rendeu meu apelido de Taty Paty Me-Au, adotado de forma carinhosa pelo Herbert (vulgo Pão de Mel), Karina, Catu, Maiko, Theia, Sandrinha, Si, Pio, Leandro, Yara, Luciano, Rafa.... (spikthu hum ahh pra vcs)
Nas diversas fases de cursinho-faculdade, destaques para Dani (Tartaruga Ninja), Gui (Tico), Adri (COMEX) e minhas eternas amadas Sheiloca, Dali, Nandinha, Fezinha, Luluzinha, Rose, Sissica, Docinho, Val, Joana, Marcia, Dani assassina, Jana assassina e prof Solange (inesquecível). De quebra ainda veio a Carolzinha e a Kell – formando as Quebradeiras!!! E o Rafa Quebradeiroooooooo!!!
No paralelo a tudo isso, parceiros inesquecíveis foram surgindo na minha vida: Sandra e Niltão (minha personal family), Lobo, Theo, Fred, a Jana, o Ivan, a Jane, Bruninho, Leo (Salvador), Kelsia (Goiania), Junia (mesmo sem saber por onde anda, a amo muito), Bruna, a Val da Amex, a Silvia Ferreira, Claudinha Rebel, Dani Pires, Gi Loira, Ricardinho .... Deus do Céu, como esse povo já me ouviu chorar, kkkk... e rir... e cantar até ficar rouca...
Até que chegou o dia de eu ganhar o mundo... ainda em SP, conquistei amizades como da Fe, da Lu, da Carol, da Thais, Camila, Clau, Monikete (a especial), Tatizinha, e dos ‘quatro mosqueteiros’ que eu mais amo no mundo: Luiz, Rafa, Jojo e Dedé!!
Só que SP ficou pequena pra Gigante aqui e Juruti (mais longe que o céu) passou a ser o limite!! Lá é Neverland... os pólos são os extremos e nunca tiveram tão próximos... o lugar onde todos vivem as melhores e as piores emoções... um grande big brother... a verdadeira ilha de L.O.S.T.... e meus alicerces são pessoas que eu tenho muito orgulho de tê-las na minha vida: Fer, May, Marisa, Van, Guacy, Jaime e Ellen!! Lógico que tb tiveram outras pessoas importantes, como os Gustavos, Mariozinho, o Michael, o Igor, Laurinho, a Vivi, a Katita, a Sabrina, Dileide, a Nane, Brunão, Leo, Nay, Renanzito, Lena, Renatinha, Déia, Taylor, Thiago, Antonio, Nete, Antonia, casal Cheberle, Breno, Flavio, Milena, Glaidson, Eliana, Nubia, Job, Nanda (passagem curta, mas com muito significado)... todos vcs são inesquecíveis tb...
Minha vontade hoje, era dar uma festa (lóóógico que festa) em que todos vocês estivessem presentes. Sinto muita falta dos abraços, das risadas, das brigas, das palhaçadas e até mesmo dos choros... Eu queria todos pertinho de mim...
Mas Deus é muito sábio e justo... por isso me deu de presente a Ju, a Jess, a Samitcha, a Flavoca, a Miriã e (lóóógico) o Luiz, que representam muito bem vocês todos. Essa é minha família poscardense, que me ajudou a me adaptar, a me reestruturar e são responsáveis pelos meus melhores momentos Posdicarda Tudibão. Amo vocês, pessoas... cada um de vcs, de uma maneira especial.

FELIZ DIA DO AMIGO

Obrigada por existirem na minha vida!! Vocês são o meu tesouro!

6 de jul de 2011

Até quando isso é justo?


"Hoje é aniversário de morte da pessoa que mais me fez feliz no mundo...
E aniversário de vida da pessoa que mais me fez sofrer no mundo...
Até quando isso é justo??"

Essa é a frase que me atormentou desde ontem... sobre hoje - 06 de julho de 2011.
Momentos de reflexão sobre tudo que aconteceu na minha vida nos últimos 11 anos.
A saudade é inevitável, pela minha mãe... e depois de tanto tempo, a impressão que eu tenho é que agora é quando mais dói.. talvez pelo momento que estou vivendo na minha vida.. momentos de mudanças e conquistas que eu gostaria de dividir com ela.. Hoje me olho no espelho e sei que ela teria muito orgulho de mim... imagino que onde quer que ela esteja, deve estar vendo isso.. mas o calor do abraço dela, eu não sinto mais... é do que eu mais sinto saudade... principalmente aqueles abraços depois de dançarmos na sala, fazendo nossas farras, rindo... e aqueles abraços quando eu tinha minhas crises de choro e só queria um colo... aquele colo insubstituível... que falta faz...

Mas hoje eu acordei com um pensamento diferente, e agradeci a Deus por isso: se dia 29 foi aniversário do nascimento dela, hoje está sendo aniversário do renascimento.. no outro plano.. sei que foi dificil no começo, mas hoje, quando penso nela, mesmo nos momentos de saudade e carência, sinto uma paz no coração que me dá a certeza que ela está bem, rodeada de luz, trabalhando pelo bem ao próximo, como sempre fez em vida...

E por isso, hoje, eu posto minha homenagem a quem me ensinou que respeito, integridade e principios são a base de tudo!!

29 de jun de 2011

Que valores são estes?

“Fui criado com princípios morais comuns:
Quando eu era pequeno, mães, pais, professores, avós, tios, vizinhos, eram autoridades dignas de respeito e consideração. Quanto mais próximos ou mais velhos, mais afeto. Inimaginável responder de forma mal educada aos mais velhos, professores ou autoridades… Confiávamos nos adultos porque todos eram pais, mães ou familiares das crianças da nossa rua, do bairro, ou da cidade… Tínhamos medo apenas do escuro, dos sapos, dos filmes de terror… Hoje me deu uma tristeza infinita por tudo aquilo que perdemos. Por tudo o que meus netos um dia enfrentarão.
Pelo medo no olhar das crianças, dos jovens, dos velhos e dos adultos. Direitos humanos para criminosos, deveres ilimitados para cidadãos honestos. Não levar vantagem em tudo significa ser idiota. Pagar dívidas em dia é ser tonto… Anistia para corruptos e sonegadores… O que aconteceu conosco? Professores maltratados nas salas de aula, comerciantes ameaçados por traficantes, grades em nossas janelas e portas. Que valores são esses? Automóveis que valem mais que abraços, filhas querendo uma cirurgia como presente por passar de ano. Celulares nas mochilas de crianças. O que vais querer em troca de um abraço? A diversão vale mais que um diploma. Uma tela gigante vale mais que uma boa conversa. Mais vale uma maquiagem que um sorvete. Mais vale parecer do que ser… Quando foi que tudo desapareceu ou se tornou ridículo?
Quero arrancar as grades da minha janela para poder tocar as flores! Quero me sentar na varanda e dormir com a porta aberta nas noites de verão! Quero a honestidade como motivo de orgulho. Quero a vergonha na cara e a solidariedade. Quero a retidão de caráter, a cara limpa e o olhar olho-no-olho. Quero a esperança, a alegria, a confiança! Quero calar a boca de quem diz: “temos que estar ao nível de…”, ao falar de uma pessoa. Abaixo o “TER”, viva o “SER”. E viva o retorno da verdadeira vida, simples como a chuva, limpa como um céu de primavera, leve como a brisa da manhã!
E definitivamente bela, como cada amanhecer. Quero ter de volta o meu mundo simples e comum. Onde existam amor, solidariedade e fraternidade como bases. Vamos voltar a ser “gente”. Construir um mundo melhor, mais justo, mais humano, onde as pessoas respeitem as pessoas. Utopia? Quem sabe?… Precisamos tentar… Quem sabe comecemos a caminhar transmitindo essa mensagem… Nossos filhos merecem e nossos netos certamente nos agradecerão!”.

Arnaldo Jabor

17 de jun de 2011

Minhas Helenas

Minha Psicóloga costuma brincar que minha vida é uma novela e cada uma das minhas fases é uma personagem...
No auge da minha insonia diaria e costumeira que eu carinhosamente apelidei de insonia das 4 (sempre as 4h da madruga), eu me encontro refletindo sobre a vida e tudo que eu passei. Então decidi listar as mulheres da minha vida. Vamos ver se dá uma boa novela mesmo? Eis as minhas Helenas:
1. Helena Flor: adolescente que muda com a familia para uma cidade nova e tem dificuldade de se adaptar. Conhece um rapaz mais velho por quem se apaixona. Seu primeiro amor. Ele passa uma imagem de bom moço, mas é violento e possessivo. Sempre bate nela, a ameaça e tira sua virgindade forçando-a ter relação, com uma faca no pescoço. Helena flor é retraida e tem dificuldade de relacionamento com seus pais. É uma menina estudiosa, mas que quando começa a viver as crises desse amor, passa a ter problemas na escola e quem precebe é uma professora que vai tentar ajudá-la.
2. Helena Maria: uma professora recém-formada e inexperiente que, pela necessidade financeira e por ideologia, começa a trabalhar numa escola de suburbio. É solteira e ajuda os pais nas despesas com a casa. Tem dois irmãos menores, que ela cuida. Se depara com varios alunos problematicos, inclusive Helena Flor, a quem decide ajudar.
3. Helena Aparecida: uma mulher batalhadora, que cria seus três filhos sozinha, vendendo marmitex nas portas de fábrica. É amiga da mãe de Helena Flor.
4. Helena Rosa: uma hipponga que viaja pelo Brasil em seu trailer, vendendo artesanatos e divulgando as diversas culturas do Brasil. (Essa é a minha Helena idealizada).
5. Helena Dark: uma menina de classe média que adora baladas e vive na loucura. Tem um namorado que toca numa banda de rock. Os dois fazem muita bagunça juntos, mas ele é mais ajuizado que ela e passa a ajuda-la a se tornar uma pessoa melhor. No começo vivem um relacionamento conturbado, que depois vai se harmonizando. Mas o relacionamento termina quando ela se apaixona por um amigo.
6. Helena Madalena: uma mulher nova e recem casada, que perde os pais de uma forma trágica e se vê na obrigação de cuidar dos irmãos mais novos. Vive um eterno conflito em se dividir entre o marido e os irmãos.
7. Helena Yara: uma mulher divorciada e sozinha, que um dia conhece seu idolo. Os dois se envolvem e passam a viver um relacionamento apaixonadamente louco e complicado. Ela trabalha como secretaria num escritorio.
8. Helena Patricia: uma menina de classe alta, fútil e mimada. Trata as pessoas de forma arrogante e se acha melhor que todo mundo. Mas também sofre muitas decepções. Um dia passa a enxergar os erros que cometeu e vai em busca de corrigi-los.
9. Helena Angelica: organizadora de eventos, mulher cheia de amigos e totalmente indepentente. Vive trocando de namorado e não se apega a ninguém.
10. Helena Tatiana: A protagonista. Uma mulher independente e trabalhadora. Formada e pós graduada, em busca de uma ascensão profissional. Conhece um homem no trabalho que demonstra ser o cara mais apaixonado do mundo. Começam a viver um romance lindo que mais parece um conto de fadas. Casam-se rápido. E ai os problemas começam a aparecer. Ela fica submissa a um homem cafajeste e mulherengo, que a manipula e a faz se sentir culpada dos problemas que eles vivem. Mas um dia consegue dar a volta por cima.
11. Helena Sandra: uma mulher que sonha em ser mãe. Tem um bom casamento, mas se sente incompleta. Vive em função de tratamentos para engravidar. O marido não aceita muito a ideia. Entao ela passa a ter um caso extra-conjugal, na tentativa de ser mae.
12. Helena Silvia: uma garota esforçada, timida e atrapalhada que é apaixonada por um grande amigo, mas não consegue se declarar. Prefere ficar oculta só para estar perto dele.
13. Helena Andrea: De familia de classe alta e cansada de ver o sofrimento do pai viuvo, se reune com as irmas para encontrar a mulher ideal para o pai. Depois de muita procura, encontram uma mulher com quem seu pai se casa. Porém essa mulher não é flor que se cheire. Tem a intenção de dar o golpe do baú, provocando inclusive a morte de seu pai.
14. Helena Augusta: é mae de uma criança pequena e inteligente e tem uma mae alcoolatra. Nunca tem tempo para si, pois sempre se divide entre ser mae e ser filha.
Enfim, tem muito mais Helenas dentro de mim. Mas a gripe não deixa eu parar de lacrimejar e estou com dificuldades de enxergar o que escrevo... mas acho que sim, daria uma boa novela, né? Imagine só todas essas Helenas se encontrando numa trama? E logico, não é só de Helenas que se vive uma vida... tem os personagens coadjuvantes, que são as pessoas que eu tanto amo e muito me ajudaram a ser o que sou hoje. Entre elas, posso destacar: Sheila, Sandra, Nanda, Thu, Kelsia, Kell, Guaciara, Ellen, tia Izabel, Aninha, Claudio, Patrick, Lobo, Juliana, Ricardinho, tia Ana Mirtila (in memorian), Dona Ana, outra Dona Ana (in memorian), etc... e os pares amorosos, sendo alguns deles, vilões: Marcelo, Wener, Ranan, Welber... parei nesse instante para ler o que escrevi e vi que todos os pares amorosos tiveram um “q” de vilão nessa história, rss... Seria uma novela ante ao amor? Rss... Acho que não, acho que seria totalmente em prol dele!! Em prol do amor!! Ensinando as pessoas a como ser e a COMO NÃO SER um grande amor...

5 de jun de 2011

A vida só muda quando a gente quer que mude!!!

Semana passada eu estava mal... acho que deu pra perceber no ultimo post... mas acho que o grande motivo era meu trabalho... pois até hoje eu sofro as consequencias o que o Wener fez comigo na Alcoa... mas estou conseguindo mudar isso com minha nova chefe... ela está acreditando em mim e olhando meu potecial, desenvolvendo em mim as coisas necessárias para a nova atividade... não tem o prque toda aquela insegurança... aos poucos eu vou apagando ele da minha vida... só falta resolver esse lance do apto... o resto é comigo! Eu quero, eu posso e eu consigo!!!
Quando ao cara legal que eu estava ficando... não estou mais... mas descobri que não consigo me entregar a ele, não por estar presa ao pasado, mas sim porque não era para ser.... Como eu descobri isso? Nesse final de semana aconteceu algo totalmente inesperado... E eu estou sentindo todos os deliciosos sintomas da paixão.... Um amigo de algum tempo... a gente sempre saia junto, em turma... sempre conversavamos muito.. mas eu nunca podia imaginar... e nem ele... e eu voltei a sentir frio na barriga, ficar olhando pro nada como boba e pensando nele o tempo todo... a gente não se viu ainda, de novo.. não sei o que vai dar... mas o que conheço dele, sei que é um cara de bom carater, de boa índole... estou disposta a acreditar nele... a investir nele... tomara que ele esteja disposto também.. porque foi tudo tão bom... e eu que achei que nunca mais ia sentir isso de novo... rss...

31 de mai de 2011

Até onde vai esse ciclo vicioso?

Algumas coisas mudam muito repentinamente na minha vida... outras não mudam nunca..
Semana que vem faz 1 ano que me separei... e vou encontrá-lo numa audiência de conciliação. E ele ainda me fala em recomeçar, Mas sei que nada mudou. Como diz a música: Eu não quero dizer, nem quero acreditar que vai ser diferente, que tudo mudou... Aqui a gente fala de essência.. faz parte dele.. não vai mudar nunca...
Agora a pouco eu estava assistindo a novela e o menino que fingia ser médico e mentia para a filha do prefeito afim de casar e se dar bem, foi desmascarado... bateu de porta em porta e todos bateram a porta na cara dele... até que ele, sem saida, enfiou o rabo entre as pernas e foi atrás da mãe... e ela lhe disse coisas que eu gostaria tanto que a mãe do Wener tivesse dito para ele... como eu gostaria que a vida imitasse a arte... Mas e ai? Do que iria adiantar? Se ele fazia o que fazia e a mãe dele nunca desconfiava (assim como eu, no começo) de que iria adiantar? Mais uma vez ele iria dizer que se arrependeu, pediria desculpas e depois faria tudo novamente...
No meu aniversário ele veio para Poços... eu tive a recaida... decidi dar a quadragéssima sexta "última chance".. mas ele já estava com outra... ao que tudo indica, a estagiaria.. Mesmo assim, ainda fui passar o Natal e Ano Novo com ele em São Luis.. e numa conversa parcialmente franca, ele me contou sobre uma garota.. sim, tudo indica que era ela, mas ele disse não poder dizer o nome porque, mesmo que tivesse acabado, ela ainda fazia parte do ciclo de amizades... eu fui sincera, mais uma vez, contei do Gustavo... contei que fiquei com ele 3 vezes.. e que me fez bem saber que ainda alguém me desejava.. que havia me sentido mulher novamente e isso tinha me dado vontade de continuar a vida...e que tudo tinha acontecido em Juruti.. que tudo se acabou quando fui para Poços.. desde então eu não tinha tido mais ninguém. Ele pareceu entender e aceitar e isso me fez me sentir respeitada por ele.. vim cheia de esperanças, assumi minha decisão publicamente e não me importei em ser alvo de críticas e julgamentos. Dias depois descobri que ele continuava mentindo pra mim.. que ainda estava com ela e, coitada, fazendo com ela a mesma coisa que fez comigo, com a Joseana, com a Katia... enfim, fui observando as características dee sociopatia que ele apresentava. Mas eu não fiquei por menos... Descartei ele da minha vida, até mudei de celular, bloqueei ele no msn... mas minha insegurança despertou meu senso investigativo novamente e comecei a "seguir" a estagiária via face, via blog (sim, ela também tem um blog) e... meu Deus.. ela também estava sofrendo... pode realmente não ser ele.. mas tudo indicava que sim... as mesmas dores, as mesmas frustrações, os mesmos comentários... ela já havia percebido que ele não presta... e que, se não era ele, que alguém não presta na vida dela também.. que alguém na vida dela mente, engana... Mas eu comparava as postagens dele com as dela, tudo coincidia!!! Ela mudava o status de solteira para relacionamento, ele também, ela deletava ele do face e mudava para solteira novamente, ele também. Eles faziam as pazes, ela postava feliz e novamente fazia parte do grupo de amigos dele no face.. e algo acontecia e ela (ou ele) deletava dos contatos novamente.. Toda a instabilidade tipica dos relacionamentos dele... Nesse meio tempo a Flavia veio morar comigo e aoompanhou meu aprisionamento, minha obsessão e meu sofrimento.. e compartilhava comigo. Quando não era eu comparando os perfis, a própria Flavia fazia isso.. e indignadamente eu ia percebendo que eu não estava vivendo minha vida... e nem ela, a estagiária... Meu Deus, será que a procuro? Será que conto a verdade para ela? E se ela pensar que a louca obsessiva era eu, e não ele? De fato eu estava sendo obsessiva, mas pela história dela, não dele.. não mais dele... Assim como foi a Joseana.. todo mundo a condenava e dizia que ela era louca.. mas quando eu vi os emails dele a procurando, as ligações que ele fazia.. fui percebendo que ela era só uma vitima apaixonada e sofrendo... e era por isso que ela me procurava tanto... Será que a estagiária ia achar o mesmo? Ou será que ela não tem maturidade sucifiente para entender, e acharia que eu estava querendo destruir a relação dos dois? Enfim... permaneci no silêncio... tive vontade de escrever o nome dela completo aqui.. um dia, se ela procurasse pelo seu nome no google certamente acharia meu blog... tive vontade de postar no blog dela, de adiciona-la no face... de ao menos dizer a ela: a verdade é essa, pequena garota. Você escolhe o que quer pra você.. mas infelizmente não tenho o direito de fazer isso...
Enfim... chegou as férias.. pela primeira vez viajei sozinha para o carnaval de Salvador (parte da viagem foi com a Sheiloca, mas o restante foi sozinha). Todos os dias, até então, mesmo ele estando com ela e com outras, ele não parava de me procurar... de postar mensagens no meu face, de tentar me adicionar como amigo... Passei o carnaval deletando ele todos os dias.. detalhe: ele também estava em Salvador. E eu acompanhava todos os passos dele pelo face, para não ir nos mesmos lugares... Quando fui de Salvador a Recife, e ele me procurando, não aguentei e respondi uma das mensagens: "que parte do 'não te quero mais' vc não entendeu?? Sua namoradinha sabe que vc tenta me adicionar ao menos 2 vezes ao dia??? sem contar emails e mensagens de celular, né... já não te disse que não quero mais contato com vc??? larga de ser palhaço, Wener... vc é doente!!! tá fazendo com ela o mesmo que fez comigo e com a Joseana... va procurar um psicólogo, Wener, e me deixa em paz.. Se vc não parar de me procurar, vou mandar para ela todas as msgs q vc me manda pra mostrar a boa bisca q vc é.... eu to pegando NOJO de vc....." A resposta dele? A mais sínica possivel: Bem, vamos por partes: em 1o lugar não tenho nenhuma namoradinha... em 2o lugar todas as vezes que conversamos sobre nossa separação vc sempre frisou que aconteceu pq eu nao fiz nda do q combinamos no e-mail... o que não é mais verdade hoje... se vc quiser scaneio todas as evidências... não entendo pq vc tá pegando nojo de mim... poxa... vc saiu da minha vida feito um furacão... do nda... e agora manda uma msg dessas cheia de ofensas....." Do naaaadaaaa???? Eu, com a garganta intalada, desbloqueei ele no msn e começou a discussão.. mais de 3 horas, eu, diante daquele mar lindo, discutindo no msn, enchendo a cara e fumando um maço de cigarro inteiro... e ele, persuasivo como sempre, conseguiu me amolecer.. fez eu prometer que depois de 3 meses a gente poderia conversar.. que ele ia fazer terapia, tentar melhorar como ser humano, etc e tal, e que eu tinha que dar uma nova não sei quanta última chance pra ele.. Os três meses acabam dia 13 de junho.. exatamente 1 ano depois da separação... exatamente 3 anos depois dele me pedir em namoro... A audiência é dia 8. O dia que vamos conversar. Eu não quero mais ele, mas estou com medo do seu poder de persuasão.. Me sinto aprisionada ainda... Em Salvador reencontrei um amigo de adolescência... ficamos juntos, estamos juntos!! Estou curtindo, mas não consigo me entregar. Ele é honesto, sincero, de boa índole. Sei que é porque me conta coisas que qualquer homem não contaria.. mas mesmo assim desconfio, não me entrego, não consigo me permitir.. e olha que penso nele o tempo todo... vou deixar um cara legal escapar, porque me sinto presa... e ela, a estagiária? Ela saiu do face de novo, parou de postar no blog... será que ela se sente presa também? E pra falar a verdade, espero que seja realmente ele o causador de tanto sofrimento... dói demais saber que existe mais um canalha no mundo feito ele, fazendo uma pessoa bacana sofrer... e provavelmente então, outra pessoa pode também estar sofrendo nas mãos dele... mais uma...